Super alunos autodidatas

Aluno Autodidata: porque o professor deve incentivar?

Um professor apresenta um assunto aparentemente complicado e desconhecido em forma de palestra e o aluno, quietinho em sua cadeira, copia o conteúdo da lousa para o caderno.

O cenário parece familiar? Pois saiba que esse velho modelo de aprendizado está cada dia mais ultrapassado!

Com as novidades tecnológicas e o acesso à informação através de sistemas digitais e da internet, aposta-se cada vez mais em dinâmicas que vão além da sala de aula!

Nesse novo e promissor método de ensino, o professor perde espaço como figura central de uma aula altamente expositiva e vira coadjuvante: um guia norteador que irá auxiliar o aluno em uma caminhada predominantemente autodidata.

Cabe ao aluno estabelecer sua motivação e ritmo de estudo!

Quer saber como isso acontece? Continue com a gente!

A importância da parceria

Em recente entrevista ao jornal Estadão, o estudioso norte-americano Marc Prensky falou da importância em se estabelecer uma relação de parceria e proximidade entre estudante e professor!

Responsável por cunhar o termo “nativos digitais”, o pesquisador tem se debruçado incansavelmente sobre questões ligadas à tecnologia e às mudanças trazidas por ela para o processo de educação formal.

Para Presnky, a relação ideal entre mestre e aluno se assemelha a de um técnico esportivo com o seu pupilo: é preciso cooperação, interação, duplo comprometimento.

O aluno cumpre a sua parte — faz as suas atividades, suas leituras — e o professor assume a função de um guia, uma figura que irá orientá-lo perante duvidas e inquietudes pessoais.

Nesse cenário, as notas pedem espaço para o diálogo; as provas, para o debate. Muito bacana, não é mesmo?

Multiplicidade de ferramentas

Os novos recursos tecnológicos trouxeram uma série de mudanças para a vida cotidiana: celulares e seus gravadores de vídeo e áudio, aplicativos com as mais revolucionárias funções, computadores e seus diversos programas.

 Tudo isso já foi incorporado ao dia a dia dos alunos. E por que não os incorporar a sala de aula?

Uma pesquisa rápida mostra uma infinidade de livros — didáticos e literários — disponíveis online.

Aplicativos virtuais também ensinam idiomas e outras disciplinas interessantes. Grandes universidades já disponibilizam cursos via web.

Exemplos de bom uso das tecnologias para o aprendizado não faltam. Experimente!

Estimule a curiosidade

O espaço da sala de aula é um lugar sagrado, mas para tirar dúvidas e levantar debates.

Nesse jogo de aprendizado, o professor seleciona alguns textos obrigatórios à leitura, mas cabe ao aluno dar conta de todos eles e, se possível, ir atrás de material complementar e enriquecedor!

Isso mesmo: o professor está lá exercendo a figura de orientador, mas cabe ao aluno fazer a lição de casa: assegurar as leituras em dia, aprofundar-se na base teórica, expandir seus conhecimentos e referenciais.

Estimular a independência do aluno é garantir um maior potencial de retenção de conteúdo e de pensamento crítico mais avançado.

A lição central é uma só: o verdadeiro aprendizado vai muito além da sala de aula!

E aí, você acha importante estimular a independência dos alunos? Deixe nos comentários

Quer saber mais como a tecnologia influencia no aprendizado?  Clique aqui! 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conversar agora
1
Falar com um consultor?
Quer falar com um consultor?