Qual a importância da autoavaliação para gestores escolares?

Avaliação: Essa é uma palavra bastante temida pela maioria dos estudantes.

 Mas será que são apenas eles os únicos alvos desse processo?

Os novos rumos da educação nacional pressupõem que o corpo docente e, principalmente, os gestores de cada instituição de ensino devem estar preparados intelectual e emocionalmente para a tarefa de educar.

Um dos caminhos para detectar problemas e dificuldades da gestão escolar seria a autoavaliação para os encarregados dessa função.

O objetivo é promover o autoconhecimento e apontar caminhos possíveis para o crescimento individual.  

Continue lendo e venha entender como esse método funciona para melhor o desempenho pedagógico!

O real objetivo de avaliar

Diferentemente do método aplicado em escolas tradicionais para “comprovar” que os alunos aprenderam a matéria — o termo avaliação, nesse caso, deve ser encarado sob uma perspectiva bem mais ampla.

O que importa ao avaliar o desempenho de gestores escolares, é identificar os pontos fortes, e também os fracos para que metas de autoaprimoramento possam ser traçadas.

Quando um profissional descobre lacunas que precisa preencher, ele para de culpar outros por grande parte dos problemas e começa a assumir responsabilidades.

Qual a vantagem da autoavaliação?

Autoavaliar é um método extremamente produtivo, em que o próprio indivíduo reflete sobre sua trajetória profissional, suas habilidades, competências, dificuldades e traça então seu perfil naquele momento.

Quando um gestor se autoavalia, ele começa a compreender qual é o seu real “tamanho” e começa a se encaixar melhor na função.

Dessa maneira, é provável que ele pare de aceitar metas e desafios que sabe que não vai poder cumprir, ao mesmo tempo em que toma consciência de que pode opinar e propor dentro de suas atribuições.

Uma autoavaliação feita com regularidade gera um processo de benefício mútuo e, o melhor: sem constrangimento para o profissional, diferentemente do que poderia acontecer em outros processos de avaliação mais conservadores.

Autoavaliação: envolvente e agregadora

Talvez as características mais importantes de um processo de autoavaliação sejam as capacidades de envolver e agregar.

Quando o método é aplicado (e comunicado) nas escolas, e também quando ele atinge não somente gestores, como também professores, por exemplo, a equipe toda começa a perceber que é fundamental se conhecer melhor, e que avaliar significa nada mais do que medir sua estatura profissional e apontar caminhos para aprimoramento.

Se o processo for aplicado de forma aberta, e os envolvidos puderem se ajudar para que cada conquista pessoal seja atingida com êxito, todo esse percurso pode se tornar ainda mais engrandecedor.

O autoconhecimento é a chave para a melhoria na educação, e quando ele é ponto de atenção da gestão escolar, melhor.

Quando nos autoavaliamos a tendência é sermos ainda mais exigentes quanto ao nosso desempenho do que quando isso é feito por outras pessoas.

 Afinal, queremos, ou não queremos ser melhores a cada dia?

E ao contrário do que pode parecer, essa estratégia é simples de ser desenvolvida e facilmente contagiante.

Experimente na sua escola e comente contando os resultados!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conversar agora
1
Falar com um consultor?
Quer falar com um consultor?